Anxiety

One of the most striking things I see in this pandemic is anxiety. COVID-19 broke out abruptly, changing our lives, and bringing uncertainty. We have lost control over many things, individually and collectively, and we have to adjust to a new reality. Anxiety is the body’s response to this stress, a feeling of fear or apprehension about what is going to happen. We expect the worst, and how can we not, with so much bad news in the media, with so many political and economic issues going on?

Being infected is also having no control over what will happen. How will your body react to the virus? The disease is very recent, tests are often not available and expensive, and there is no specific treatment. Many people are afraid of dying. Many people are concerned for those close to them, especially for the elderly and vulnerable.

I received many kind messages from friends and acquaintances when I revealed that I had become infected with covid-19. I realize that I am loved, and it is a comfort. My family wants to hear the news. Some colleagues want to help, but without realizing it, they make morbid comments, or send dramatic scientific articles, or ask me why I am not using hydroxychloroquine. Yesterday I told a doctor friend that I had woken up feeling better. Angry at the country’s political moment, and frightened by the current situation, she replied that a well-known doctor had improved like me, but days later he had been intubated.

That was the last straw. I was tired of talking to so many people, listening to so many recommendations, worrying about the evolution of my symptoms. Fear of the unknown spread. I suddenly realized that my dyspnea had worsened. That my hands were cold, that I had tachycardia. I recognized my anxiety, and realized that I was on the verge of a panic attack. After all, I had no fever and my cough had improved. It wasn’t my lungs. I tried to calm down. I closed my eyes, started doing breathing exercises. I put on some relaxing music, did a little mindfulness practice. The malaise was improving.

I reflected that I have no control over what I am going through now, and that anxiety only makes the symptoms worse. What can I do if I clinically worsen, except seek help? What is the use of anticipating misfortune? I empathize with my colleagues, but many of them are more anxious than I am. I would even say that they are desperate, afflicted with their impotence in the face of this pandemic, afraid of becoming infected. I need to be calm. I get off the internet for a few hours, get distracted by other things, laugh at some silly jokes. I slept a lot, a whole lot. Rest is a holy remedy.

I woke up feeling better. I’ve had no fever for 36 hours. My mood is improving. I put on my red kimono, put on some makeup and quickly got into a virtual morning party called ‘Morning Glory’. There were five hundred people online dancing in their homes, people of all ages, wearing colorful and festive clothes. Vibrant energy. I love a party. I frlt so much better.

In the midst of this pandemic we need to take care of our mental health. We have no control over the virus, but we can take precautions, help flatten the curve, and find creative ways to be at home. Despite the alarming number of deaths, the symptoms of COVID-19, although more unpleasant for some than for others, subside after a few days. Self-isolation is not the end of the world, and when we self-isolate, we are protecting those close to us. Reducing anxiety is essential. It even makes the immune system more combative!

Virna Teixeira

Translated by Chris Daniels

Ansiedade

Uma das coisas mais marcantes que observo nesta pandemia é a ansiedade. O covid-19 irrompeu bruscamente, mudando nossas vidas e trazendo a incerteza. Perdemos o controle sobre muitas coisas, em nível individual e coletivo, e temos que nos ajustar a uma nova realidade. A ansiedade é uma resposta do corpo a este estresse, um sentimento de medo ou apreensão sobre o que vai acontecer. Ficamos à espera do pior, e como não ficar, com tantas notícias ruins na mídia, com tantas questões políticas e econômicas em curso?

Estar infectado é também não ter controle sobre o que vai acontecer. Como o seu corpo vai reagir ao virus? A doença é muito recente, os testes muitas vezes não são disponíveis e são caros, não há tratamento específico. Muita gente tem medo de morrer, tem preocupação pelas pessoas próximas, sobretudo pelos idosos e vulneráveis.

Tenho recebido muitas mensagens simpáticas de amigos e conhecidos quando revelei que tinha me infectado com o covid-19. Percebo que sou querida, é um conforto. Minha família quer saber notícias. Alguns colegas querem ajudar e sem perceber fazem comentários mórbidos, ou mandam artigos científicos dramáticos, ou questionam porque não estou usando hidroxicloroquina. Ontem comentei com uma amiga médica que tinha acordado melhor. Ela, com raiva do momento politico do país, e assustada com a situação atual, respondeu que um médico conhecido tinha melhorado como eu, e dias depois tinha sido intubado.

Eu já estava cansada de falar com tanta gente, de ouvir tantas recomendações, de me preocupar com a evolução meus sintomas, e aquilo foi a gota d’água. A sensação de medo do desconhecido foi se alastrando. De repente percebi que minha dispnéia tinha piorado. Que as minhas mãos estavam frias, que estava com taquicardia. Reconheci minha ansiedade, percebi que estava à beira de um ataque de pânico. Afinal estava sem febre e minha tosse tinha melhorado. Não era o pulmão. Tentei me acalmar. Fechei os olhos, comecei a fazer exercícios respiratórios. Coloquei uma música relaxante, fiz um pouco de mindfulness. O mal estar foi melhorando.

Refleti que não tenho controle algum sobre o que estou passando agora, e que a ansiedade só torna os sintomas piores. Que posso eu fazer se eu tiver uma piora clínica, senão procurar ajuda? Que adianta antecipar desgraça? Tenho empatia pelos meus colegas, mas muitos deles estão mais ansiosos que eu. Eu diria desesperados, aflitos com a sua impotência diante desta pandemia, com medo de se infectar. É preciso calma. Sai da internet por umas horas, me distrai com outras coisas, ri de algumas piadas bobas. Dormi bastante. O repouso é um santo remédio.

Acordei me sentindo melhor, e estou há 36 horas sem febre. Minha disposição está voltando. Coloquei meu kimono vermelho, passei um pouco de maquiagem e entrei rapidamente numa festa virtual hoje de manhã, chamada ‘Morning Glory’. Havia quinhentas pessoas online dançando nas suas casas, gente de todas as idades, usando roupas coloridas e festivas. Uma energia vibrante. Eu adoro uma festa. Melhorou meu humor.

No meio desta pandemia é preciso cuidar nossa da saúde mental. Não temos controle sobre o virus, mas podemos tomar precauções, ajudar a achatar a curva, e arrumar formas criativas de estar em casa. Apesar do assustador número de mortos, os sintomas de covid-19, embora mais desagradáveis para uns que para outros, passam após alguns dias. O auto-isolamento não é o fim do mundo, estamos protegendo as pessoas próximas. E reduzir a ansiedade é essencial, torna inclusive o sistema imunológico mais combativo!

Virna Teixeira

Dyspnea

The fever broke, and I was able to sleep for more than five hours. A soft, gray sky this morning. I woke up with mild dyspnea, and did some exercises to control my breathing. Dyspnea, a word from the Latin dyspnoea, from the Greek dúspnoia, from dys, ‘bad, inadequate’, and pnein, ‘breathing’. Difficulty breathing.

It is hard to use the stethoscope on yourself, but my auscultation seems clean. My respiratory rate is normal. Yesterday I also had a bit of dyspnea, and a slight pain when breathing — uncomfortable sensations. My husband and daughter went down to the garden, and I went to the balcony in a bathrobe for some sun and fresh air. It helped. I was thinking about tuberculosis, a disease that kills many people (as an infectologist friend reminds me), in the sanatoriums. I put another Brazilian film on my list to watch. Floradas na Serra, with Cacilda Becker.

Having access to information is good and bad at the same time, because it increases anxiety, but this is the time to be patient, to stay away, which for doctors is not easy. There are many changes taking place in the medical profession, and other occupations have become secondary. Some psychiatric hospitals in London are temporarily becoming coronavirus units, for example.’

COVID-19 has a special tropism toward the lungs, even in people without respiratory symptoms. I follow a Chinese radiologist based in Madrid who became infected with the virus. Every day he does an ultrasound of his lungs. Despite having mild symptoms, he noticed a thickening of the pleura and other findings since the beginning of the infection. His record is original and very useful. We can learn from his symptoms and observations, which will be useful for our work.

My appetite has returned a little, but the food is tasteless. My senses of smell and taste have decreased. I tried smelling acetone. Almost nothing. This is an early symptom of COVID-19 infection; Spanish neurologists have alerted us to this.

What bothers me at the moment is a little nausea, an accelerated intestinal transit. There are people who have only digestive symptoms, even abdominal pain, and others who will have respiratory symptoms later. This has only been known very recently. You have to be alert. Not everything is the dyspnea / dry cough / high fever triad.

Meanwhile, my immune system is still fighting. In general, I feel better and more willing today. Women are healthier, have fewer comorbidities, and for this reason they seem to recover faster from COVID-19 infection. Mortality is markedly higher in men. This is a gender advantage.

Virna Teixeira

Translated by Chris Daniels

Dispnéia

(Foto: dia 2 de infecção, Dr Yale Tung Chen, @yale tung, Twiiter)

A febre passou, e eu consegui dormir por mais de cinco horas seguidas. Um céu brando e acinzentado esta manhã. Acordei com uma dispnéia leve, e fiz alguns exercícios para controlar a respiração. Dispnéia, palavra oriunda do Latim dyspnoea, do grego dúspnoia, de dys, ‘mau, inadequado’, e pnein, ‘respirar’. Dificuldade de respirar.

É difícil usar o estetoscópio em você mesma, e minha ausculta parece limpa. A frequência respiratória está normal. Ontem também tive um pouco de dispnéia, e uma leve dor ao respirar, são sensações desconfortáveis. Meu marido e filha desceram para o jardim, e fui até a varanda de roupão para tomar sol e ar fresco. Ajudou. Fiquei pensando na tuberculose, doença que mata muita gente ainda (como me lembra uma amiga infectologista), nos sanatórios.  Coloquei outro filme brasileiro na minha lista para assistir. Floradas na Serra, com Cacilda Becker.

Ter acesso às informações é bom e ruim ao mesmo tempo, porque aumenta a ansiedade, mas esta é a hora de ser paciente, de estar do outro lado, o que para médicos não é fácil. Há muitas mudanças ocorrendo na profissão médica, e outras ocupações têm se tornado secundárias. Alguns hospitais psiquiátricos em Londres estão tornando-se temporariamente unidades de coronavírus, por exemplo.

O covid-19 tem um tropismo especial pelos pulmões, mesmo em pessoas sem sintomas respiratórios. Sigo um médico chinês radiologista baseado em Madrid que se infectou com o vírus. Todo dia ele faz um ultrassom dos pulmões. Apesar de ter apresentado sintomas leves, ele percebeu um espessamento na pleura e outros achados de imagem desde o começo da infecção. O registro dele é original e muito útil. Podemos aprender com os próprios sintomas e observações, que serão úteis para o nosso trabalho.

Meu apetite voltou um pouco, mas a comida está sem gosto. Meu olfato e meu paladar diminuíram. Tentei cheirar acetona e não senti quase nada. Um sintoma precoce de infecção pelo covid-19 que foi alertado pelos neurologistas espanhóis.

O que me incomoda no momento é um pouco de náusea, um trânsito intestinal mais acelerado. Há pessoas apresentando só sintomas digestivos, até mesmo dor abdominal, e outras que terão sintomas respiratórios mais tarde. Isso só se soube bem recentemente. É preciso estar alerta. Nem tudo é a tríade dispnéia-tosse seca-febre alta.

Enquanto isso, meu sistema imunológico segue combatente. De forma geral, me sinto melhor e mais disposta hoje. As mulheres são mais saudáveis, têm menos comorbidades, e por este motivo parecem se recuperar mais rápido da infecção pelo covid-19. A mortalidade é nitidamente maior nos homens. Eis aí uma vantagem de gênero.

Virna Teixeira

Nocturnal sweats

I woke up at 3 am with night sweats, chills, 100-degree fever, a slight shortness of breath and a dry cough. A slow restlessness, fidgeting in bed, unable to get up to go to the bathroom to wash my face. I remembered a film I saw many years ago in high school, recommended in literature class: Inocência, an adaptation by Walter Lima Jr from the novel by the Franco-Brazilian Visconde de Taunay. Young Inocência with malaria, behind a curtain, disheveled, feverish, in a room on the ranch.

I spent a few hours like that, scattered in thought, isolated in the room without TV while the paracetamol took effect and the viremia subsided. I chatted with a friend on Twitter, and saw the day dawn through the half-open curtain, a pink-orange spring sky. So I screwed up my courage, got out of bed, plugged my laptop into a projector, and started watching Inocência on Youtube.

A very interesting film, a very strong record of patriarchy and colonialism in the 19th century in the Brazilian interior. The eccentric figure of the German butterfly hunter, fascinated by Brazil and local customs. The slaves. The adventurous doctor Cirino, wandering the roads on his horse, looking for sick people to pay his gambling debts. Cirino treats and seduces the young patient, promised by her austere father to another man. There are gripping scenes, like that of a poor leper who wants to consult, but the doctor keeps his distance and refuses. He asks: do you have treatment? No. Can I pass it on to others? Yes.

Virna Teixeira

Translated by Chris Daniels

Suores noturnos

Acordei às 3h da manhã com suores noturnos, calafrios, febre de 38 graus, uma falta de ar discreta e tosse seca. Uma inquietação lenta, remexendo-me aos poucos na cama, sem condição de levantar até o banheiro para lavar o rosto. Lembrei de um filme que vi há muitos anos no ensino secundário, recomendado na aula de literatura. Inocência, uma adaptação de Walter Lima Jr do romance do franco-brasileiro Visconde de Taunay. A jovem Inocência com malária atrás do cortinado, descabelada, com febre, num quarto da fazenda.

Passei umas horas assim, dispersa em pensamentos e isolada no quarto sem tevê enquanto o paracetamol fazia efeito e a viremia baixava. Conversei com uma amiga pelo Twitter, e vi o dia amanhecer pela cortina entreaberta, um céu rosa-alaranjado de primavera. Então tomei coragem, levantei da cama, conectei meu laptop num projetor e começei a assistir Inocência no Youtube.

Um filme interessantíssimo, um registro muito forte do patriarcado e e do colonialismo no século 19 no interior do Brasil. A excêntrica figura do alemão caçador de borboletas, fascinado pelo Brasil e pelos costumes locais. Os escravos. O médico aventureiro Cirino, errante pelas estradas no seu cavalo, atrás de doentes para pagar suas dívidas de jogo. Cirino trata e seduz a jovem paciente, prometida pelo seu austero pai para outro homem. Há cenas fascinantes, como a de um pobre leproso que quer se consultar, mas o médico mantém a distância e se recusa. Ele pergunta: tem tratamento? Não. Posso passar para os outros? Sim.