A distância segura

Voltei ao trabalho após quase três semanas em casa. As coisas mudaram rapidamente neste período. As ruas estão desertas. Na unidade psiquiátrica onde trabalho há um número bem reduzido de pacientes e atividades, e medidas de segurança em curso. Há comida de graça na cantina para os funcionários do NHS no hospital ao lado. Uma fila longa no almoço para receber a sua quentinha, até me alegrei de ver tanta gente junta. O macaroni cheese estava decente. 

O metrô ainda funciona, agora passa um trem a cada 20 minutos. Na entrada da estação cartazes e mensagens repetem que o transporte é para os trabalhadores essenciais, o resto da população deve permanecer em casa. A estação está deserta às 17 horas, vejo apenas mais dois indivíduos aguardando ao longe na plataforma. O vagão também está bem vazio. Sinal de que as pessoas estão respeitando as orientações. 

Neste momento é mais fácil encontrar gente em áreas verdes ou parques. O governo britânico autoriza a prática de algum tipo de exercício ao ar livre por dia, com distância social de 2 metros. Uma ideia excelente, que faz bem à saúde física e mental, principalmente com o retorno do sol após um longo inverno. Os bancos e os playgrounds foram selados para evitar contágios. Vejo uma mulher estranhíssima com roupa de jogging e máscara, usando um banco para fazer exercício com lenços higiênicos nas mãos. Em geral as pessoas respeitam a distância, alguns até gritam se você estiver distraída e se aproximando a 1.95 metros. 

Um poeta que mora em Madrid me conta que passa o dia trancafiado em sua quitinete no centro da cidade, geralmente dormindo, pois detesta lives e atividades online. Ele me conta da repressão de policiais com metralhadoras que controlam idas ao mercado e fiscalizam as “compras essenciais”. Fica revoltado pois as pessoas ainda aplaudem a polícia todo dia às 18h. Uma hora depois aplaudem o bom comportamento das crianças durante a quarentena. Em seguida aplaudem os “sanitários”. 

Hoje anunciaram que a quarentena aqui se estenderá por mais três semanas, o que já era esperado. O Reino Unido atingiu um pico de quase mil mortes por dia na semana passada, mas ao que parece as admissões em hospitais começaram a estabilizar. O NHS controla o acesso das pessoas aos hospitais por telefone. É uma medicina centrada na comunidade e não no paciente. Não se faz montes de exames aqui como se faz no Brasil, e não se usa hidroxicloroquina, mas o controle dos casos certamente é mais fácil e homogêneo, pois todos utilizam o NHS. 

Quando digo que estou bem os leigos e pessimistas me enviam artigos científicos recém-publicados ou comentam sobre o risco de eu “não desenvolver” imunidade. Vazam artigos e trabalhos recentes (com críticas metodológicas) sobre o tema para a imprensa, que distorce resultados e apavora os ansiosos. Sim, a imunidade não é linear, há uma janela de tempo variável para o desenvolvimento de anticorpos, os testes não são 100% eficazes, e por aí vai. Se houver uma raríssima reinfecção, creio que será branda. Repito a minha ladainha. Alguns ficam aliviados. Bom, como seria com tantos profissionais de saúde que se infectam, se recuperam e voltam a trabalhar no mundo inteiro? Só o tempo ensinará sobre a imunidade tardia para o Covid-19. Não posso viver dentro de uma bolha de plástico como aquele filme dos anos 70 que lançou John Travolta. A vida prossegue.

Chego em casa e me ocupo da minha filha de oito anos. No domingo ela reclamou chateada comigo, “ninguém me disse que era páscoa”. Preocupada com a pandemia e com questões de vida e morte, esqueci da data. O que são as datas festivas agora? Parei no supermercado e comprei um ovo de chocolate com 50% de desconto para me redimir. A prateleira continuava lotada. Desconfio que as vendas de ovos de páscoa não foram muito promissoras este ano.

Depois de comer o seu chocolate, perguntei para minha filha o que ela achava da quarentena. Disse que havia pontos positivos. É bom não ir para escola, passar mais tempo com os pais, ver mais TV e usar o computador e os aplicativos. Ela é bem informada e checa notícias sobre o coronavirus no site de notícias da BBC para crianças. De repente, comentou: “o mundo era um e agora é outro. Agora é um mundo de dores de cabeça”. Perguntei do que ela sentia falta na quarentena. De brincar ao ar livre com os amigos dela. De abraços. Ela adora abraçar. Realmente, abraçar é maravilhoso. Libera endorfinas. Que será da proximidade física quando terminar este isolamento?

Virna Teixeira

Uma resposta para “A distância segura

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Foto do Google

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Foto do Facebook

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Conectando a %s